Gold Coast a costa de ouro australiana: A menos de 100 quilômetros de Brisbane, Gold Coast é a queridinha dos brasileiros. É a segunda cidade mais populosa do estado de Queensland e localiza-se quase no limite com o estado de Nova Gales do Sul. No local vivem, basicamente, dois tipos de públicos: jovens e idosos. Enquanto os mais novos desfrutam da vida noturna em bares e danceterias – especialmente em Surfers Paradise -, os mais velhos lotam um dos 500 restaurantes locais. A praia, como sempre na Austrália, acaba sendo o ponto de encontro das idades. À primeira vista, a cidade pode até assustar. Parece vazia, por causa da calmaria, e extremamente silenciosa, dando a sensação de imensa tranquilidade. À noite, nos locais de agito, a percepção muda. Nos finais de semana, as areias dali também registram intenso movimento.

Gold Coast deve seu crescimento exponencial ao desenvolvimento de Surfers Paradise, hoje considerado um bairro da cidade. O vai e vem turístico começou a tomar forma a partir da década de 20 do século passado, com o estabelecimento de um hotel chamado Surfers Paradise. A partir de 1980, houve um boom turístico e, no início da década de 90, Surfers foi agregada à região metropolitana de Gold, tornando a área a segunda mais populosa da Austrália. Qualquer um que coloca os pés por lá percebe logo a diferença entre Surfers e Gold. Os arranha-céus e as luzes neon da primeira não deixam dúvidas sobre onde está o agito. Apesar de controvérsias, reza a lenda que foram os investidores imobiliários que deram nome ao local: costa de ouro.

O governo local investe pesado na promoção de Gold Coast. Nos últimos anos, volumosos investimentos asiáticos aumentaram o ritmo da construção de edificações que logo começam a literalmente arranhar o céu azul do estado mais úmido da Austrália. A maior parte do dinheiro provém do Japão e da China. No outono de 2018, entre os dias 4 e 15 de abril, a cidade será a principal sede dos XXII Jogos da Commomwealth, disputa que ocorre a cada quatro anos entre países e territórios que integram a comunidade britânica. Anteriormente, o país já havia sediado quatro edições da competição: Sydney, em 1938; Perth, em 1962; Brisbane, em 1982; e Melbourne, em 2006.

Além da atração de turistas, que supera a marca de 10 milhões de visitantes a cada ano, Gold também seduz novos habitantes. Enquanto que a média de crescimento populacional da Austrália é de 1,2% ao ano, em Gold Coast o taxa é de 3,4%. O Produto Interno Bruto (PIB) do local também disparou nos últimos anos, registrando aumento de 60% em apenas seis anos. Passou de um pouco menos de 10 bilhões de dólares australianos em 2001 para 15,6 bilhões em 2008.

A cada quatro postos de trabalho da cidade, um está diretamente relacionado ao turismo, considerado a maior indústria local. O setor injeta 4,5 bilhões de dólares ao ano na economia da região. Além de diversas opções de lazer, noturnas e diurnas para todas as idades, a cidade conta com cinco parques temáticos, um diferencial na Austrália. Para se ter uma ideia do que o turismo representa basta analisar um único número: 65 mil. Essa é quantidade de leitos disponíveis em Gold Coast. A marca deixa o Rio de Janeiro, considerada a cidade mais turística do Brasil, para trás. No Rio, os leitos somam 58 mil.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on linkedin
1