As dificuldades que o intercambista tem ao voltar do exterior. Como se acostumar de novo com o Brasil. Como lidar com a síndrome do regresso.

Já ouviu falar da depressão pós intercâmbio? Ela é real e eu senti na pele. Afinal, foi mais de um ano no exterior. E é difícil entendê-la. Você está voltando pra casa, pra sua família, pro seu país. Como é possível isto ser motivo de uma depressão?
Foi por esta incredibilidade que fiquei tão aliviada ao descobrir que esta tristeza após o término de intercâmbio é até objeto de estudo. Trata-se da síndrome do regresso. Como publicado na matéria da Folha de São Paulo, o termo foi criado pelo neuropsiquiatra Décio Nakagawa. Na ida, sofremos o que chamam em inglês de homesickness, algo como “saudade de casa”. E na volta, portanto, é a síndrome do regresso. No entanto, o surpreendente é o tempo de duração dos dois. O período de adaptação do intercambista no país novo é de até seis meses; já a readaptação ao país de origem leva até dois anos!
 ___________________________________________________________________________________________________________________________________
A verdade é que é muito mais fácil se acostumar a um local onde tudo é novo e a rotina é agitada. Onde há lugares e pessoas para conhecer todos os dias, comidas para experimentar. Onde a rotina dos estudos o mantém ocupado. Onde as coisas funcionam de forma diferente (e, quase sempre, de forma melhor) que no Brasil. Enquanto tudo isso acontece com você no exterior, o que você deixou no país ao partir continua o mesmo. Enquanto você cria uma grande bagagem cultural e coleciona experiências, sua família e amigos, mesmo que muito felizes por você, continuam na rotina de sempre.
  __________________________________________________________________________________________________________________________________
E é muito difícil para os familiares compreenderem a sua infelicidade porque estão felizes com o seu regresso. Por isso, é muito importante que intercambistas tenham consciência da existência dos estudos sobre a síndrome do regresso, para não se sentirem culpados, e entenderem que o descontentamento que possam vir a sentir é completamente normal. E passa! Comigo, bastou manter-me ocupada, conquistando um novo emprego, saindo com os amigos, estudando.
  __________________________________________________________________________________________________________________________________
Mas é preciso que haja paciência dos dois lados. De quem está voltando, para dar-se o tempo de readaptação, encontrando uma maneira de sentir-se em casa de novo. E dos familiares e amigos, para escutar sobre todas as suas experiências, histórias, comparações sem fim entre os países; para reinseri-lo na rotina, na vida da casa, nos passeios; e para, acima de tudo, entender que isso passa e que a sua tristeza não é culpa deles. Meus pais chegaram a acreditar que eu não seria mais feliz no Brasil. Pra dizer a verdade, até eu cheguei a acreditar nisso. Mas depois de ler sobre a síndrome do regresso, nós – meus pais e eu – nos aquietamos e entendemos que era uma fase. E a fase, como todas as outras, passou. Amo os Estados Unidos como minha segunda casa. Mas, como já dizia Dorothy de “O Mágico de Oz”, there’s no place like home.
  __________________________________________________________________________________________________________________________________
Você tem interesse em saber mais sobre intercâmbio no exterior? Tem vontade de estudar em algum país?  Entre em contato conosco! A Study For life  estará feliz em lhe ajudar com esse SONHO, Clique Aqui e solicite seu orçamento agora!

 

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on linkedin
1