O Festival Internacional de Artes de Perth, a maior cidade do Oeste australiano, é considerado o festival cultural mais antigo da Austrália. Também é o festival multiartístico do Hemisfério Sul com maior duração. O evento ocorre anualmente, desde 1953, nos meses de fevereiro e março. Além de exposições artísticas, apresentações de música, dança, circo, ópera e teatro, o guarda-chuva do evento compreende um festival de filmes – que acontece de novembro a abril – e de escritores, também em fevereiro. Em 2015, o Perth International Arts Festival acontece de 13 de fevereiro a 7 de março. Em anos anteriores, o evento sempre foi realizado nesse período do ano, em datas próximas.

A origem do festival remonta a uma antiga lenda aborígene. Certo dia, uma pequena menina gigante caiu do céu, em meio ao deserto do Oeste australiano, em uma tribo aborígene. Ela foi tão bem recebida pelos nativos, que decidiu ficar por lá. A pequena gigante certo dia recebeu um velho livro de presente de uma das crianças da tribo. Nas páginas do livro surrado, ela ficou sabendo da guerra – na verdade, aqui a lenda se mistura com a real história australiana, por volta de 1915, quando navios ingleses chegaram por lá para colonizar as terras recém-descobertas e mataram tribos aborígenes. A menina gigante viajou – de barco e de balão – pelo Oeste australiano tentando ajudar os aborígenes. O fim da lenda é triste – assim como a história da “limpeza” britânica em solo australiano: a menina gigante morre em Perth.

A história da gigante foi o tema do espetáculo de abertura do festival desse ano: The Incredible and Phenomenal Journey of the Giants to the Streets of Perth (ou, em Português, “A incrível e fenomenal jornada dos gigantes nas ruas de Perth”). No final de semana de abertura do festival – 13, 14 e 15 de fevereiro – artistas de teatro moderno encenaram pelas ruas da cidade, conduzindo réplicas de gigantes que remontam à lenda. Os bonecos mediam 11 metros de altura e passearam pela cidade contagiando o público. Além da temática dos gigantes, esse ano, o evento homenageia o centenário da ANZAC (Australian and New Zealand Army Corps ou Forças Armadas da Austrália e da Nova Zelândia, em Português).

Além de colorir e animar as ruas da principal cidade do Oeste australiano no final do verão, o evento incrementa a economia local. Em 2014, estima-se que pelo menos 1 milhão de pessoas tenham visitado a cidade durante o festival, o que resultou em um impacto financeiro de AU$ 84 milhões.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on linkedin
1